Os assassinos do Cartão - Postal ( James Patterson / Liza Marklund )


Nome: Os Assassinos do Cartão - Postal
Autor:  James Patterson / Liza Marklund
Editora: Arqueiro
Págs: 303
ISBN978- 85- 8041- 271- 0
Onde comprarSaraiva / Submarino

Sinopse: 
Uma viagem a Roma

 Jacob Kanon, um detetive da divisão de homicídios do Departamento de Polícia de Nova York, está muito longe de casa. Em sua longa viagem, já conheceu as mais belas cidades da Europa. No entanto, não é a paisagem que o atrai. Para ele, cada café, catedral ou museu é uma pista dos assassinos de sua filha. 


Um rastro de sangue

 A filha de Jacob, Kimmy, é apenas uma peça de um doentio e intricado quebra-cabeças. Amsterdã, Copenhague, Madri, Paris... Em toda a Europa, jovens casais são encontrados mortos com a garganta cortada. Os assassinatos não parecem ter qualquer conexão, além de cartões-postais enviados para os jornais locais dias antes da descoberta de cada crime. 


Mais pessoas correm perigo
 Numa tentativa de salvar as próximas vítimas, Jacob vai se unir à jornalista Dessie Larsson, que acaba de receber um cartão-postal em Estocolmo. O que eles não imaginam é que os crimes têm um propósito bem diferente do que pensavam.


 Eu tenho um pequeno problema com James Patterson, um sentimento de amor e ódio.
Há livros que não são bons, pelo menos é o que eu acho, e há os bons.
Esse ficou mediano. Mas com calma vou explicando melhor


O livro  conta histórias em paralelos. 
A primeira mostra a visão dos assassinos. Que possui uma espécie de marca registrada.
Eles matam casais jovens e apaixonados pela Europa. E mandam para o jornal local um cartão-postal antes e pós cometerem o crime. 



A segunda, fala sobre Jacob, um policial americano que persegue os assassinos por toda Europa e, que tem um interesse pessoal em resolver o caso.



Então, sim, estou obsessivo. E eu vou persegui-los até o inferno congelar.



Até que em um determinado momento, Jacob se junta a uma jornalista, Dessie, e junto da policia sueca, e de sua inteligência,  vão tentar capturar os assassinos, antes que cometam mais crimes.

A forma como o escritor mostra os pensamentos, os atos dos assassinos me assustou e surpreendeu muito. 
Achei incrível.



Entretanto, houve alguns pontos que me decepcionaram.
Houve coisas que eram e devia ( pelo menos pra mim ) serem explicadas.
Mas recomendo para aqueles que gostam de um romance policial.
Vale a pena ler!



Espero que tenha gostado...

Beijinhos e até a próxima...


Jéssica Tolare

Os Bridgertons #3 - Um perfeito Cavalheiro ( Julia Quinn )



Nome:Um Perfeiro Cavalheiro
Autor:  Julia Quinn
Série: Os Bridgertons
Editora: Arqueiro
Págs: 295
ISBN978- 85- 8041- 238- 3

Sinopse: 

Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhce o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois, Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas. Nesta deliciosa releitura de Cinderela, Julia Quinn comprova mais uma vez seu talento como escritora romântica.


O livro conta a história da Sophie, ela é filha ilegítima e mesmo seu pai, de certa forma, ter cuidado dela isso sempre foi um segredo para a sociedade.
O Conde, pai de Sophie, resolve se casar . E então ela ganha uma madrasta e duas irmãs ( Isso te lembram uma outra história? )

O pai morre e a madrasta cuida dela. Mas a garota vira uma criada. 
E tem que lavar, passar, cozinha e ainda aguentar as megeras.

E um dia os Bridgertons resolvem dar uma festa, um baile de mascaras . Sophie resolve ir escondida, e lá ela conhece Benedict, um Bridgerton. E inevitavelmente alguma coisa acontece entre eles . Só que à meia-noite, a moça precisa partir. 

No dia seguinte, a madrasta expulsa a garota, que deixa Londres, enquanto Benedict a procura.

Mas apenas três anos depois é que se reencontram, mas ele não a reconhece. E ambos acabam se apaixonando novamente.
No entanto, por ela ser uma criada e o rapaz de uma família de classe alta, e devido a sociedade ( aff ) ambos não podem se casar.
E ele propõe que ela seja sua amante, o que para Sophie é inaceitável.
Agora ambos precisarão lutar contra tudo e todos, inclusive com eles próprios para decidir sobre o que realmente sentem.



É um romance história muito bonito. Adorei. 
Ele faz uma espécie de releitura de um conto de fadas que eu adoro.
No livro há uma pessoa ( que não faço ideia de quem seja ) conhecida como Lady Whistledown, que publica no jornal da cidade sobre a vida social das pessoas, principalmente da família Bridgerton. O que é muito legal e deixa com uma curiosidade imensa.


Enfim, recomendo muito para aqueles que gostam de um bom romance histórico.


A Família!
 

Espero que tenha gostado!
Leiam!



Beijinhos e até a próxima...


Jéssica Tolare










Texto da Semana: Namore uma garota que lê


 Oi eu tava lendo uns blogs na internet, quando vi esse texto no blog Reality Of Books e achei muito legal. Super fofo. E interessante.
Esse texto é de Rosemary Urquico, com a Tradução e Adaptação de Gabriela Ventura.


Namore uma garota que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Ela também tem problemas com o espaço do armário, mas é só porque tem livros demais. Namore uma garota que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca desde os doze anos.
Encontre uma garota que lê. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido na bolsa. Ela é aquela que olha amorosamente para as prateleiras da livraria, a única que surta (ainda que em silêncio) quando encontra o livro que quer. Você está vendo uma garota estranha cheirar as páginas de um livro antigo em um sebo? Essa é a leitora. Nunca resiste a cheirar as páginas, especialmente quando ficaram amarelas.

Ela é a garota que lê enquanto espera em um Café na rua. Se você espiar sua xícara, verá que a espuma do leite ainda flutua por sobre a bebida, porque ela está absorta. Perdida em um mundo criado pelo autor. Sente-se. Se quiser ela pode vê-lo de relance, porque a maior parte das garotas que leem não gostam de ser interrompidas. Pergunte se ela está gostando do livro.
Compre para ela outra xícara de café.
Diga o que realmente pensa sobre o Murakami. Descubra se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entenda que, se ela diz que compreendeu o Ulisses de James Joyce, é só para parecer inteligente. Pergunte se ela gostaria ou gostaria de ser a Alice.
É fácil namorar uma garota que lê. Ofereça livros no aniversário dela, no Natal e em comemorações de namoro. Ofereça o dom das palavras na poesia, na música. Ofereça Neruda, Sexton Pound, cummings.


Deixe que ela saiba que você entende que as palavras são amor. Entenda que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade mas, juro por Deus, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco como seu livro favorito. E se ela conseguir não será por sua causa.
É que ela tem que arriscar, de alguma forma.
Minta. Se ela compreender sintaxe, vai perceber a sua necessidade de mentir. Por trás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. E isto nunca será o fim do mundo.

Trate de desiludi-la. Porque uma garota que lê sabe que o fracasso leva sempre ao clímax. Essas  garotas sabem que todas as coisas chegam ao fim. E que sempre se pode escrever uma continuação. E que você pode começar outra vez e de novo, e continuar a ser o herói. E que na vida é preciso haver um vilão ou dois.
Por que ter medo de tudo o que você não é? As garotas que leem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Exceto as da série Crepúsculo.
Se você encontrar uma garota que leia, é melhor mantê-la por perto. Quando encontrá-la acordada às duas da manhã, chorando e apertando um livro contra o peito, prepare uma xícara de chá e abrace-a. Você pode perdê-la por um par de horas, mas ela sempre vai voltar para você. E falará como se as personagens do livro fossem reais – até  porque, durante algum tempo, são mesmo.
Você tem de se declarar a ela em um balão de ar quente. Ou durante um show de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Ou pelo Skype.


Você vai sorrir tanto que acabará por se perguntar por que é que o seu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Vocês escreverão a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos mais estranhos ainda. Ela vai apresentar os seus filhos ao Gato do Chapéu [Cat in the Hat] e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos de suas velhices, e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto você sacode a neve das botas.
Namore uma garota que lê porque você merece. Merece uma garota que  pode te dar a vida mais colorida que você puder imaginar. Se você só puder oferecer-lhe  monotonia, horas requentadas e propostas meia-boca, então estará melhor sozinho. Mas se quiser o mundo, e outros mundos além, namore uma garota que lê.


Ou, melhor ainda, namore uma garota que escreve.



De Rosemary Urquico. Tradução e Adaptação de Gabriela Ventura


Espero que tenha gostado...
Beijinhos e até a próxima...

Jéssica Tolare

Seguidores

Amazon

Amazon